Compre online:

Powered by PFC:

NOTÍCIAS

A história de um ídolo: conheça a trajetória musical de Jimi Hendrix.

13/01/2016

O ano já começa com uma novidade Fender® que promete mexer com a estrutura emocional de guitarristas e entusiastas de todo mundo: a guitarra signature de um dos maiores guitarristas da história da música: Jimi Hendrix.


Jimi Hendrix e sua Fender® Stratocaster® (Foto: Reprodução)

James Marshall Hendrix nasceu em 1942 em Seatlle, nos Estados Unidos, nascido em uma família simples e de raízes indígenas (sua vó era descendente cherokee, índios nativos norte americanos).

Hendrix teve acesso à música desde muito cedo. Segundo relatos encontrados na internet, sua primeira guitarra era acústica e custou cerca de cinco dólares. Foi com esse instrumento que Jimi começou a tocar com algumas bandas locais de sua cidade.

Durante sua juventude, Hendrix alistou-se no exército e serviu durante um ano como paraquedista na 101st Airborne Division, em Fort Campbell, no Kentucky. Apesar de não haver nenhum registro médico da dispensa do músico - que, segundo alguns relatos, teria fraturado o tornozelo após um dos saltos - Charles Cross, autor da biografia do músico, diz que Hendrix fora afastado do serviço militar porque havia alegado que estava apaixonado por um colega, durante uma visita ao psiquiatra da base militar.

Segundo Cross, Hendrix provavelmente deve ter inventado essa história para se livrar do exército e dedicar-se à música, uma vez que o músico era conhecido pela fama de mulherengo.

Após sua rápida passagem pelo exército, Hendrix levou uma vida com muita dificuldades financeiras, tocando em bandas de apoio para músicos como Curtis Knight, B.B King e Little Richard. Sua primeira aparição de destaque foi com os Isley Brothers, em 1964.

"Testify (pts.1&2) - The Isley Brothers (feat. Jimi Hendrix) ":

Em 1965, Hendrix assina seu primeiro contrato de gravação com a banda Curtis Knight & The Squires.


Jimi Hendrix (á esquerda) com a banda Curtis Knight & The Squires (Foto: Reprodução)

Frank Zappa (Foto: Reprodução)

Em meados de 1966, Jimi se muda para Nova Iorque e monta sua própria banda, a Jimmy James and The Blue Flames. Foi durante essa época que Hendrix conheceu e trabalhou com a cantora e guitarrista Ellen McIlwaine e também com o guitarrista Jeff "Skunk " Baxter (mais tarde integrante dos grupos Steely Dan e The Doobie Brothers) assim como Frank Zappa. Foi Zappa, inclusive, que apresentou Hendrix ao recém-criado pedal de "wah-wah ", um pedal de efeito sonoro que, tempos depois, se tornaria marca registrada de Hendrix.

Foi num show do Jimmy James and The Blue Flames que Chas Chandler, baixista da banda britânica The Animals, descobriu Hendrix. Chandler levou Hendrix para a Inglaterra e o ajudou a formar uma nova banda, com o baixista Noel Redding e o baterista Mitch Mitchell: ali estava sendo criado o The Jimi Hendrix Experience.


Da esquerda para a direita: Noel Redding, Jimi Hendrix e Mitch Mitchell formavam o The Jimi Hendrix Experience (Foto: Reprodução)

A partir da criação do The Jimi Hendrix Experience, a carreira de Jimi deslanchou por toda Inglaterra. Músicos conhecidos como Eric Clapton, Jeff Beck, Freddie Mercury e até os Beatles e o The Who estavam encantados com a musicalidade e técnica do guitarrista norte-americano. O sucesso era tanto que o trio foi convidado para produzir um álbum pela Track Records, produtora do The Who. O primeiro single gravado pelo The Jimi Hendrix Experience foi Hey Joe, música que, futuramente, tornaria-se um clássico. Além de Hey Joe, outros dois clássicos foram gravados na mesma época e começavam a figurar entre as músicas mais tocadas de Londres: Purple Haze e The Wind Cries Mary.

"The Jimi Hendrix Experience - Hey Joe (Official Audio) ":

No início de 1967, é lançado o primeiro álbum da banda, intitulado Are You Experienced, que conta, além das três músicas citadas acima, com obras-primas como as psicodélicas Third Stone From The Sun e Fire. O álbum é considerado até hoje o melhor álbum de estreia de uma banda, além de figurar entre os 500 melhores álbuns de todos os tempos escolhidos pela revista especializada Rolling Stone.

Uma curiosidade interessante que, tempos depois seria uma das marcas registradas de Hendrix, foi que durante um show da turnê do primeiro álbum, em Londres, o guitarrista percebeu que as pessoas não estavam tão empolgadas com o espetáculo e, por esse motivo, Hendrix resolveu atear fogo em sua própria guitarra durante o show. O músico sofreu algumas queimaduras e danificou boa parte dos amplificadores e equipamentos do palco do Astoria Theatre neste dia.

Mas, sem dúvidas, uma das apresentações mais conhecidas de Hendrix e sua banda foi o Monterey Pop Festival, em 1967, na Califórnia, onde o guitarrista também queimou sua guitarra durante a apresentação. Esse momento foi eternizado no filme Monterey Pop, de D.A. Pennebaker e pelo fotógrafo Jerry DeWilde, que esteve na apresentação.


The Jimi Hendrix Experience tocando durante o Monterey Pop Festival, de 1967 (Foto: Jerry DeWilde)

Capa do segundo álbum, Axis: Bold as Love

(Foto: Reprodução)

Nessa época, de volta à Inglaterra, Jimi Hendrix sacramenta sua imagem de artista selvagem e esse fato lhe trazia enorme notoriedade. A performance do guitarrista variava entre atear fogo em sua guitarra, tocar a guitarra com os dentes ou com o instrumento às costas.

A banda lança o seu segundo álbum, em Dezembro de 1967, chamado Axis: Bold as Love.

A partir desse momento da carreira de Hendrix, em decorrência do seu vício em heroína e álcool, tornam-se notórios fatos que começam a prejudicar Jimi e a banda. O guitarrista é preso na Escandinávia por ter destruído um quatro de hotel quando bêbado. Além disso, Hendrix também tinha desavenças pessoais com o baixista da banda, Noel Redding.

Dentro dessa atmosférica caótica, a banda lança o terceiro álbum, chamado Electric Ladyland, em 1968. O álbum, duplo, é considerado o mais eclético e experimental de Hendrix e sua banda.

Segundo Chas Chandler, Hendrix era tão perfeccionista que, durante a gravação do álbum, a faixa Gypsy Eyes teve que ser gravada 43 vezes e, mesmo assim, o músico não tinha ficado totalmente satisfeito com o resultado. Além disso, Jimi gravava seus vocais diversas vezes, até que este estivesse à altura de sua mania de perfeição.

Jimi Hendrix e Chas Chandler (Foto: Reprodução)

Cansado de lidar com o vício em drogas de Hendrix, as constantes brigas do músico com Redding e sua nítida insegurança de lançar suas músicas, o empresário Chas Chandler pede demissão e vende sua parte do negócio para Michael Jeffery.

Acredita-se que Jeffery foi uma péssima influência para Hendrix; segundo consta na história, Jeffery desviava o dinheiro de Jimi para contas secretas no exterior e tinha fortes ligações com a máfia.

A banda The Jimi Hendrix Experience termina em 1969 em decorrência das constantes brigas entre os integrantes do grupo. Segundo o baixista Noel Redding afirmou para a imprensa tempos depois, apesar que a ruptura ter sido somente em 1969, seu relacionamento com Hendrix já havia sido encerrado durante as gravações de Eletric Ladyland.

Em Agosto do mesmo ano, Hendrix forma a banda Gypsy Suns and Rainbows, para tocar em Woodstock. A banda era formada por Hendrix (guitarra/voz), Billy Cox (baixo), Mitch Mitchell (bateria), Larry Lee (guitarra) e Jerry Velez e Juma Sultan (percussão).

Apesar do visível efeito de drogas com que Hendrix se apresentou, o show de Woodstock é considerado um dos maiores shows do guitarrista. Nesse show, Jimi faz uma versão improvisada do hino nacional americano, quase irreconhecível, que leva o uso dos efeitos na guitarra para outro patamar. Perguntado tempos depois sobre sua performance durante o programa Dick Cavett Show, Jimi restringiu-se a dizer "Eu achei que foi lindo ".

"Jimi Hendrix - The Star Spangled Banner [American Anthem] (Live at Woodstock 1969):

A banda teve vida curta e, logo após seu fim, Jimi formou um novo trio, chamado Band of Gypsys, com os amigos da época de exército Billy Cox (baixo) e Buddy Miles (bateria). As apresentações dessa banda foram gravadas e nelas, é possível conferir uma versão clássica e emocionante de Machine Gun.

"Jimi Hendrix - Machine Gun (Live Copenhagen 1970):

Uma das últimas apresentações conhecidas de Hendrix foi em Agosto de 1970 no Isle of Wight Festival, cuja apresentação resultou em um álbum póstumo. Depois dessa, Hendrix fez sua última turnê européia e comentou com pessoas próximas que estava insatisfeito com o público só queria ouvir seus antigos sucessos, sem chance dele apresentar novas músicas.

Antes de sua morte, Hendrix tinha a intenção de iniciar um novo projeto com o guitarrista/baixista Greg Lake, com o tecladista Keith Emerson e com o baterista Carl Palmer. Após o falecimento de Jimi Hendrix, o projeto foi retomado e transformou-se na banda de rock progressivo Emerson, Lake & Palmer.

Hendrix entrou para o "clube dos 27 " ao falecer precocemente aos 27 anos de idade em 18 de Setembro de 1970. E, apesar de constar em seu atestado de óbito a morte em decorrência de uma alta dose de remédios para dormir e vinho tinto, as causas da morte nunca foram solucionadas completamente. Acredita-se que o empresário Michael Jeffery tenha ligações diretas com a morte do músico.

Há uma teoria que o empresário encomendou a morte de Hendrix, para ficar com o valor do seguro de vida do músico, que estava em seu nome. A morte de Hendrix foi encarada como uma possível overdose ou até mesmo suicídio. Mas, segundo o roadie de Hendrix, James Tappy Wright em seu livro Rock Roadie, o empresário confessou tempos depois que havia pago um grupo para invadir o quarto do hotel onde Hendrix estava hospedado e obrigado o músico a tomar vinho tinto e remédios para dormir. Essa versão nunca poderá ser confirmada, uma vez que Jeffery morreu três anos depois de Hendrix, em um acidente de avião.

Hendrix e sua Stratocaster®
Apesar de sua passagem meteórica pelo mundo, em pouco tempo de vida, Hendrix revolucionou a história da música e encontrou um novo jeito de tocar guitarra, tornando-se uma das maiores inspirações e ícones para guitarristas e entusiastas. Autodidata e canhoto, sua maneira de expressar-se através das cordas foi, sem sombra de dúvidas, único, intenso e poderoso.

Em grande parte de sua trajetória, Hendrix escolheu ser acompanhado pela Fender Stratocaster®. Uma das características da guitarra que Jimi utilizou como sua principal característica foi a alavanca de trêmolo que permitia que o músico distorcesse notas sem que o instrumento saísse de sua afinação original. O braço estreito da guitarra permitiu que Hendrix tocasse seu instrumento de uma maneira única: como suas mãos eram grandes, Jimi podia tocar partes rítmicas e solos ao mesmo tempo.


Jimi Hendrix (Foto: Reprodução)

Pensando na importância, influência e representatividade de Jimi Hendrix na história da música, a Fender® resolveu lançar em 2016 a guitarra Signature Series Jimi Hendrix Stratocaster®, com as mesmas características dos instrumentos originais utilizados pelo músico no decorrer da sua carreira.


Signature Series Jimi Hendrix Stratocaster® (Foto: fender.com)

A base do som e do estilo único de tocar de Jimi Hendrix era "transformar " uma guitarra para destro em uma guitarra para canhoto, invertendo a posição da guitarra e as cordas, resultando no headstock e no captador da ponte invertidos, características reproduzidas em detalhes precisos.

Receberemos neste mês de Janeiro o primeiro embarque dessa guitarra e ela está disponível no Brasil a partir de Fevereiro/2016. Você pode conferir mais informações do instrumento e onde você pode compra-lo clicando aqui.

* Artigo por Júlia Meirelles.

Mais informações sobre toda a linha de guitarras, baixos, violões, amplificadores, assim como demais instrumentos e acessórios da Fender® disponíveis ao nosso mercado, visite o site oficial da Fender® no Brasil.


Curta & Compartilhe nas redes sociais:
Imprimir o artigo Enviar por e-mail
Prefira sempre produtos originais e importados legalmente, pois eles são a garantia de sua satisfação.
Clique aqui e saiba onde encontrar um equipamento 100% legal.
Últimas Notícias
• 29/05/2020
KROSS2 - A Workstation de entrada com recursos profissionais!
• 22/05/2020
Com o Zildjian L80 você não precisa parar de tocar!
• 15/05/2020
Zildjian I Family, um prato B8 como nenhum outro!
• 06/05/2020
Como a quarentena está reaquecendo o mercado da música?
• 23/04/2020
KORG i3 - Sua nova estação de trabalho!
• 17/04/2020
Conheça as Jackson X Series Adrian Smith Signature.
• 17/04/2020
Conheça o novo VOX Cambridge50
• 17/04/2020
Conheça os pratos Liga B12 da linha S Family

+ notícias

Últimas do Twitter

PRIDE TV

Últimos vídeos enviados ao canal Fender® Brasil
Últimos vídeos enviados ao canal KORG® Brasil
Últimos vídeos enviados ao canal Zildjian® Brasil
Últimos vídeos enviados ao canal VOX® Brasil
Últimos vídeos enviados ao canal Gretsch® Brasil
Últimos vídeos enviados ao canal Jackson® Brasil
Últimos vídeos enviados ao canal EVH® Brasil
Últimos vídeos enviados ao canal Neutrik® Brasil
Últimos vídeos enviados ao canal Audio-Technica®

SIGA NOSSAS MARCAS